Piramide Alimentar: A infantil e a Brasileira

Piramide Alimentar: A infantil e a Brasileira

Todos que procuram emagrecer com saúde têm a noção de que para chegar ao resultado desejado é preciso fazer uma alimentação balanceada. E esse procedimento é tudo uma questão de matemática. Sim, é isso mesmo! As proporções de cada alimento devem estar bem claras.

Os profissionais da saúde recomendam ingerir até 5 porções de frutas, 3 de proteínas, 5 de vegetais e 9 de carboidratos por dia. Até aí tudo bem. O problema é como fazer isso sem cometer falhas. Simples! Basta apostar na piramide alimentar, que foi criada em 1992 pelo USDA – Departamento de Agricultura dos Estados Unidos.

Quem acredita que a nova piramide alimentar tem o objetivo de orientar e incentivar hábitos saudáveis está enganado. Ela vai além desse objetivo, que é prevenir certos tipos de doenças. Enriqueça mais os seus conhecimentos com esse artigo e aprenda como usar a piramide alimentar.

A Piramide Alimentar Brasileira

Apesar de a ideia ser dos americanos, os brasileiros resolveram dar um toque especial. Em 1999 a pirâmide alimentar original sofreu algumas adaptações, que teve como principal visão respeitar os hábitos e a gama de alimentos que só tem no Brasil. Os alimentos presentes na piramide alimentar brasileira são divididos em quatro grupos.

Piramide Alimentar: A infantil e a Brasileira

1. Energéticos: compostos por carboidratos, que são as principais fontes de energia do corpo, ficam na base da piramide alimentar e devem ser consumidos em maiores quantidades, lembrando sempre de escolher as fontes mais saudáveis.

2. Reguladores: na seqüência, eles entram em cena, sendo muito importantes para o funcionamento do organismo. Além disso, eles também previnem doenças. Entre os reguladores encontramos: as vitaminas e os minerais.

3. Construtores: na categoria seguinte são destacadas as proteínas, que são responsáveis pela força dos músculos, tecidos e ossos. Os alimentos que se encaixam perfeitamente são representados pelo leite e derivados, carne, ovos e legumes.

4. Energéticos extras: no topo da pirâmide, encontramos os alimentos que devem ser consumidos de maneira limitada. Óleos e as gorduras e os açúcares e doces são alguns. Isso porque, em excesso, fazem muito mal à saúde.

Piramide Alimentar Infantil

O cuidado na infância é redobrado, já que na infância é período de muita diversão, aprendizados, e acima de tudo, de aquisição de paladar. Por isso, os pais devem ter conhecimento quanto aos cardápios dos seus filhos, que devem ser priorizados e escolhidos de acordo com os benefícios oferecidos pelos alimentos.

Piramide Alimentar: A infantil e a Brasileira

Na procura por ajuda, muitos brasileiros apostam na pirâmide alimentar infantil – uma ajuda e tanto que pode auxiliar na montagem dos pratos. A pirâmide alimentar infantil ajuda nas medidas e quantidades adequadas dos grupos dos alimentos, e está dividido da mesma maneira que a piramide alimentar brasileira.

Porém, a pirâmide alimentar infantil pode sofrer algumas adaptações para usos particulares. Por isso, é muito importante, antes de fazer qualquer procedimento para perder peso, procurar um medico especialista. Há profissionais que dividem os grupos dos alimentos em 8, para facilitar a medida diária adequada.

E os grupos ficam divididos dessa maneira:

Grupo 1: Mandioca, massa, arroz, pão e batata (6 porções/dia)
Grupo 2: Legumes e verduras (4 porções/dia)
Grupo 3: Frutas (4 porções/dia)
Grupo 4: Iogurte, leite e queijo (3 porções/dia)
Grupo 5: Ovos e carnes (2 porções/dia)
Grupo 6: Feijões e oleaginosas (1 porção/dia)
Grupo 7: Gorduras e óleos (1 porção/dia)
Grupo 8: Açúcares e doces (1 porção/dia)

Piramide Alimentar: A infantil e a Brasileira

Seja um pai consciente! É sua obrigação reconhecer que as necessidades de uma criança não são as mesmas de um adulto.

Lembre-se que crianças estão em fase de crescimento e necessitam de pequenas porções de todos esses nutrientes.

É importante que o crescimento da criança seja acompanhado por um médico de confiança.

Leitura Recomendada